Exportações de tabaco têm queda de 8,6% em junho, aponta Fiergs


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 08/07/2021 16:20
Atualizado 08/07/2021 16:49

Geral   ECONOMIA

As exportações da indústria de transformação no Rio Grande do Sul aumentaram consideravelmente tanto na comparação mensal quanto no acumulado do ano. Em junho, totalizaram US$ 1,2 bilhão, um avanço de 43,4% ante o mesmo mês de 2020, quando foram de US$ 836 milhões. Já no primeiro semestre de 2021, alcançaram US$ 6,2 bilhões, 29,5% maior em relação ao acumulado de janeiro a junho do ano passado. “O resultado recupera o patamar do primeiro semestre de 2019, já que em 2020 a queda foi muito forte em função da pandemia, quando a redução nas vendas provocada pelo confinamento e pelas restrições à produção causou grandes perdas ao setor industrial. Aos poucos, parceiros importantes nossos, como China e Argentina, começam a retomar as compras”, diz o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry.

Na análise por setores de atividade, dos 24 segmentos da indústria, 21 assinalaram aumento do valor das vendas externas na base interanual. Com exceção de Tabaco (-8,6%), todos os grandes exportadores avançaram em junho. Alimentos registrou aumento de 44,6%, em razão da demanda chinesa por carne suína e óleo de soja. Químicos, segundo maior exportador, cresceu 64,3% com a elevação dos embarques para Argentina, Chile e Holanda. Máquinas e equipamentos e Produtos de metal também cresceram, 85,7% e 53,3%, puxados pela demanda global por produtos metálicos. Couro e calçados, por sua vez, registraram o maior aumento entre os grandes exportadores, 94,9%, puxado pelas compras para a Alemanha, China e Estados Unidos.

Quanto aos principais destinos das exportações totais do Estado, em comparação a junho de 2020, destacam-se os avanços para a China, 37,1%; e para a Argentina, 56,5%. No primeiro caso, o crescimento foi influenciado pelos principais produtos comercializados, como soja em grãos, óleo de soja, carne de suíno e celulose. A respeito do comércio com os argentinos, destaca-se o avanço disseminado em segmentos da indústria como Couro e calçados, Celulose e papel, Máquinas e equipamentos, Borracha e plásticos, Produtos de metal, Veículos automotores e Químicos. As exportações totais para os Estados Unidos, por sua vez, tiveram modesta subida: 8,5%, especialmente em Alimentos e Couro e calçados.

IMPORTAÇÕES

Pelo lado das importações, o Estado adquiriu, em junho, US$ 1,1 bilhão em mercadorias, configurando uma demanda 56,4% maior ante o mesmo mês de 2020. No ano, o RS importou US$ 4,7 bilhões, resultado 35,9% superior ao acumulado até junho do ano passado. Com exceção de Combustíveis e lubrificantes, queda de US$ 230,5 milhões, todas as grandes categorias apresentaram crescimento das importações, sendo o maior em Bens intermediários, com US$ 1,1 bilhão.


Foto: Divulgação
Com exceção de Tabaco (-8,6%), todos os grandes exportadores avançaram em junho
Com exceção de Tabaco (-8,6%), todos os grandes exportadores avançaram em junho