Região de Santa Cruz mantém bandeira laranja


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 21/07/2020 06:45
Atualizado 21/07/2020 07:03

COVID 19   RISCO MÉDIO

Mais uma vez a apreensão com a divulgação definitiva do mapa do Distanciamento Controlado do Rio Grande do Sul tomou conta da região. Sim, Santa Cruz do Sul e entorno estavam na classificação vermelha, mas conseguiram reverter com a apresentação de recursos. Na tarde de ontem, o Governador Eduardo Leite apresentou os resultados. O principal ponto considerado para mudar a classificação da região foi o fato da maior parte dos pacientes internados em UTIs dos hospitais do Vale do Rio Pardo serem de outras regiões do Estado.

Diferentemente de sexta, em que somente duas regiões do Estado estavam com Bandeira Laranja, o mapa de ontem apontou para 12. Além de Santa Cruz, a região de Lajeado e de Cachoeira do Sul, ambas pertencentes a macrorregião Vales, ficaram na classificação mais branda: risco médio. Estão na vermelha as regiões de Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Palmeira das Missões, Passo Fundo e Caxias do Sul, o que em números de municípios somam 252, de um total de 497 no Estado. Destes 252, porém, 120 podem adotar as restrições da laranja, tendo em vista a Regra 0-0 - ou seja, que não tiveram óbito ou hospitalização nos últimos 14 dias. Vera Cruz e Vale do Sol, por exemplo, poderiam se valer dessa regra caso o Vale do Rio Pardo não revertesse a bandeira.

No intuito de manter bons índices e até mesmo orientar, no sábado, o infectologista Marcelo Carneiro fez um alerta para os casos de Covid-19 em instituições de Longa Permanência para Idosos (LPI). Segundo ele, a região, quando entrar, pode permanecer com bandeira vermelha por um longo período se os surtos e óbitos relacionados às casas geriátricas não diminuírem. “É urgente que estas unidades reforcem as suas medidas de prevenção, caso contrário poderemos ter de fechar o comércio até o fim da pandemia. O número de óbitos é um indicador que não tem justificativa para recurso. É importante que os municípios fiscalizem de forma mais agressiva estes locais”, destacou.

Também no sábado, a região teve reunião frente à classificação vermelha imposta, principalmente pelos indicadores da macrorregião, os municípios do Vale do Rio Pardo, Taquari e da região de Cachoeira do Sul se uniram. Foi realizada, então, uma articulação para alinhar o discurso e produzir o recurso encaminhado ao Estado. “Uma bandeira vermelha complicaria ainda mais a já difícil situação econômica das comunidades. Somos uma das poucas no Estado que ainda não teve de enfrentar isso”, afirmou o prefeito de Candelária e presidente da Amvarp, Paulo Butzge, no último sábado. A luta da região e das entidades teve efeito.

(Foto: Arquivo/Jornal Arauto)