Safra de tabaco deve ser plantada mais cedo


Publicado 16/06/2020 06:37
Geral Região   NA REGIÃO Fonte: Jornal Arauto

Quem plantou mais cedo a safra de tabaco no último ano - e fugiu dos reflexos da estiagem prolongada - deve repetir a fórmula e até mesmo parece inspirar outros produtores a seguirem neste caminho. Ainda que a orientação técnica do plantio caiba às empresas do setor, o presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Benício Werner, acredita que a maioria deve apostar na antecipação do plantio, “para ter probabilidade maior de ter uma produção melhor para esta safra”. Nada mais é do que reflexo da estiagem que causou tantos prejuízos na agricultura, avalia Werner, citando também a perda de qualidade no fumo. O dirigente calcula que o transplante das mudas para a lavoura seja baixo, entre 5 e 10%, talvez menos. Mas para quem planta no início de agosto, época normal para isso, em meados de dezembro já estaria praticamente finalizado. O tesoureiro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Cruz, Sérgio Luiz Reis, diz que parece ser um fato antecipar em alguns dias o plantio, que pode ser positivo, mas fala de início de agosto, não em junho ou início de julho, como se comenta.

Mas o que se vê neste ano, afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vera Cruz, Cristian Wagner, é que muitos anteciparam o preparo das mudas de fumo, a fim de garantir uma fonte de renda antecipada, já que perderam com a safra e com as lavouras de milho na seca. “Muitos estão antecipando para vender antes este ano e, claro, também pelas previsões de seca em setembro”, frisa ele. Pelo desenvolvimento que as mudas apresentam, a maioria deve ter em julho praticamente todo fumo plantado, estima Wagner.

MAIS CEDO - Pelo menos é o que vai acontecer nas propriedades de Rovena Aretz e Silma Hoff, em Linha Sítio. Silma semeou em maio, já fez a primeira poda e, pelo desenvolvimento das mudas, na virada do mês ou início de julho, os 12 mil pés do tipo Virgínia devem estar transplantados. Na última safra, era início de dezembro quando já tinha todo o tabaco finalizado, escapando dos prejuízos da seca, que vieram com o milho, mais tarde. “Por aqui está todo mundo antecipando o plantio”, aponta ela.

Vizinha de Silma, Rovena Aretz tem por hábito plantar antes porque trabalha com o fumo “amarelinho”, que precisa ser cultivado mais cedo, entre junho e julho. Os 60 mil pés cultivados em parceria com o filho devem ir para a lavoura até o fim deste mês de junho, e a colheita inicia em outubro. Com isso, Rovena escapou, também, dos efeitos da falta de chuva, como a falta de desenvolvimento do tabaco e as folhas escuras. “Acredito que será tendência para todos, independente do tipo de fumo, pois já semearam mais cedo para evitar de perder muita qualidade se tiver nova seca”, avalia Rovena.

Rovena tem por hábito cultivar mais cedo e escapa dos prejuízos da seca
Rovena tem por hábito cultivar mais cedo e escapa dos prejuízos da seca (Foto: Carolina Almeida/ Jornal Arauto)







Corona - Aqui não passa!