Arauto Saúde: o que é a Leishmaniose?


Publicado em 31/08/2019 08:00 Geral Arauto Saúde   CUIDADOS Fonte: Grupo Arauto

A Leishmaniose é uma doença que pode ser transmitida tanto para cães como em humanos. Após notificações de suspeita de casos em humanos, em Santa Cruz do Sul, a Secretaria de Saúde ficou em alerta e buscou realizar ações para controlar a doença. O Arauto Saúde desta semana aborda o assunto e quem orienta e explica mais sobre a doença é a veterinária da Vigilância Sanitária de Santa Cruz do Sul, Daniela Klafke.

De acordo com a profissional, a Leishmaniose é uma doença causada por um protozoário, um parasita transmitido pelo mosquito palha. “É um mosquito bem pequeno, parecido com borrachudo e que vive nas matas”, explica. O assunto tem sido intensificado nas últimas semanas, pois a doença está no município há 10 anos, com casos em cães. “Sabemos que todo caso em cão precede um caso em humano. Em 10 anos não diagnosticamos nenhum paciente, mas o que acontece? Os sintomas são muito confusos, então não temos um diagnóstico específico por parte dos profissionais de saúde”, explica. “No cão, confunde-se bastante com a sarna”, completa. Ainda segundo Daniela, a Prefeitura  chegou a ter notificações em seres humanos, porém, todos descartados. “Mas surgiu a necessidade de informar melhor a população, bem como os profissionais de saúde”, completa.

Como ocorre a transmissão? “O cachorro é o principal reservatório da doença nos centros urbanos. Existe uma atração do mosquito pelo cão e o fato de ter cães errantes soltos na rua, principalmente nos horários de maior ação do vetor (que é à tardinha e ao amanhecer), ele vai se alimentar do sangue desse cão, que acaba sendo reservatório da doença”, esclarece Daniela. “Qualquer outro mosquito que picar esse cão positivo, portador e depois for picar outra pessoa vai levar a doença para essa pessoa”, acrescenta.

 

Nos cães, os sintomas iniciais são parecidos com sarna. “Outra característica é a perda de pêlo ao redor dos olhos, o cão pode ter uma conjuntivite e emagrecimento”, aponta. “Conforme vai avançando ocorrem feridas, o animal fica mais debilitado”, diz. Em humanos, o  que preocupa é não ter um diagnóstico específico. Porém, se a pessoa não está bem, emagreceu muito rápido, tem febre intermitente, a indicação é que procure um médico. Para evitar a doença, o animal pode ser protegido com a coleira repelente. Os humanos devem utilizem repelente, além de colocarem telas nas janelas da casa.

PortalArauto
(Foto: Taliana Hickmann/Jornal Arauto)










Copyright © 2016 Portal Arauto - www.portalarauto.com.br DB New