compartilhe >>

"Eu espero que, ao menos, a justiça divina seja feita", afirma prefeita Helena Hermany


Publicado 14/11/2023 12:04
Atualizado 14/11/2023 12:14

Geral Cobertura Especial   OPERAÇÃO CONTROLE

No final da manhã desta terça-feira (14), a prefeita de Santa Cruz do Sul, Helena Hermany, acompanhada do secretário de Relações Institucionais e Esportes, Everson Carvalho de Bello, concedeu entrevista coletiva no auditório da Procuradoria Geral do Município, sobre a Operação Controle, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio Grande do Sul (GAECO/MPRS). 

O objetivo da operação é desarticular uma organização criminosa responsável por fraudes que causaram prejuízos que podem alcançar mais de R$ 47 milhões aos cofres públicos do município do Vale do Rio Pardo. A ação tem o apoio das Promotorias de Justiça do município e da Brigada Militar. Ordens judiciais de buscas ocorrem em residências, empresas, sedes das secretarias e na Câmara de Vereadores.

Em sua fala, Helena Hermany lamentou a repercussão da operação. “Organização criminosa é um termo muito forte. E o pior é justamente isso. Mesmo depois, vendo que não tem nada a ver, nunca mais se consegue apagar tudo. Uma acusação assim, tão forte, eu espero que, pelo menos, a justiça divina seja feita”, afirmou a chefe do executivo santa-cruzense. 

Em mais de uma oportunidade, a prefeita destacou que confia na sua equipe. "No Setor de Licitações não tem CC (servidores comissionados e de confiança). São todos concursados. Quem perde não é a prefeita, quem perde é o povo", pontuou. 

Leia também: Vice-prefeito de Santa Cruz é afastado após operação

 


Foto: Eduardo Wachholtz/Portal Arauto
Chefe do executivo santa-cruzense concedeu entrevista coletiva no final da manhã desta terça-feira, no auditório da Procuradoria Geral do Município
Chefe do executivo santa-cruzense concedeu entrevista coletiva no final da manhã desta terça-feira, no auditório da Procuradoria Geral do Município