Caxias do Sul sedia primeira edição da Surdolimpíada na América Latina


Por: Portal Arauto
Fonte: Agência Brasil
Publicado 30/04/2022 19:25
Atualizado 30/04/2022 19:26

Esportes   NA SERRA GAÚCHA

A cidade gaúcha de Caxias do Sul recebe no próximo domingo (1) a Cerimônia de Abertura da 24ª edição da Surdolimpíada de Verão (o maior evento multidesportivo internacional para atletas surdos do mundo). Esta é a primeira vez na história que a América Latina recebe a competição, que termina no dia 15 de maio e reúne mais de 5 mil atletas representando 77 países.

Nesta edição o Brasil terá a sua maior delegação na história da competição, com 237 componentes (199 atletas e 38 membros da comissão técnica) que participarão de disputas em 17 modalidades: futebol, vôlei, handebol, basquete, atletismo, badminton, natação, ciclismo, mountain bike, tiro esportivo, orientação, tênis de mesa, judô, karatê, tênis, vôlei de praia e taekwondo.

Com uma delegação tão numerosa, a expectativa de conquistar medalhas é a melhor possível, como afirma a presidente da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos, Diana Kyosen: “Esta edição da Surdolimpíada será muito especial. Além de ser realizada no Brasil, nós teremos a maior delegação brasileira da história […]. Espero que possamos ter bons desempenhos”.

Brasil na Surdolimpíada

O Brasil já participou de seis edições do evento, ocupando a 56° posição na classificação geral do evento. Porém, as medalhas vieram apenas nas três últimas, sendo dez no total (1 ouro, 1 prata e 8 bronzes).

A primeira conquista foi obtida em 2009, em Taipé (Taiwan), um bronze com o judoca Alexandre Fernandes. Quatro anos depois veio a primeira prata, com o nadador Guilherme Maia Kabbach, que também levou para casa dois bronzes. Nesta edição quem também terminou uma prova na terceira posição foi o carateca Heron Rodrigues da Silva.

Mas a melhor campanha brasileira em uma Surdolimpíada foi alcançada em 2017, em Samsun (Turquia). O Brasil terminou com um ouro do nadador Guilherme Maia, que também conquistou um bronze. Além dele, o Brasil foi bronze no Futebol Feminino, com o judoca Alexandre Fernandes e com o carateca Heron Rodrigues da Silva.


Foto: Divulgação / Pixabay
Nesta edição o Brasil terá a sua maior delegação na história da competição, com 237 componentes
Nesta edição o Brasil terá a sua maior delegação na história da competição, com 237 componentes