Vera Cruz adere a programa para combater a obesidade infantil


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 29/12/2021 08:00

Geral   PROTEJA

Com o aumento de casos de crianças em situação de sobrepeso e obesidade, o Município de Vera Cruz aderiu à Estratégia Nacional de Prevenção e Atenção à Obesidade Infantil (Proteja), que contempla um conjunto de ações essenciais e complementares que, reunidas e implementadas, em nível municipal, poderão apoiar a reversão do cenário de obesidade infantil no país. Em relatórios do estado nutricional das crianças de zero a cinco anos em Vera Cruz, conforme atendimentos ao longo de 2020, 24,05% apresentavam risco de sobrepeso, 10,21% já com sobrepeso e 3,11% em obesidade. Em crianças de cinco a 10 anos, 18,75% da amostra apresentou sobrepeso, 15% obesidade e 11,25% quadro considerado de obesidade grave.

Esses dados estão lançados no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), que considera todas as pessoas pesadas e medidas no município pelos serviços públicos. “A estratégia nacional teve adesão do Município de Vera Cruz pelo fato de termos alto índice de obesidade, e isso vem se refletindo nas crianças, em todas as faixas etárias. Temos o monitoramento das ações, que devem ser cumpridas para o recebimento de recursos federais”, explica a nutricionista Samia Nassere, que faz a interligação das áreas da Saúde, Educação e Desenvolvimento Social.

Segundo ela, o Proteja exige articulação intersetorial porque prevê ações essenciais e complementares (a serem escolhidas no ato da adesão, como audiência pública para expor esses dados da obesidade; aumento anual da compra de produtos da agricultura familiar, entre tantos outros).

Vera Cruz e Passo do Sobrado foram os únicos municípios do Vale do Rio Pardo a aderirem e em reunião recente na 13ª Coordenadoria Regional da Saúde, os planos de ação foram debatidos para serem implementados. No projeto vera-cruzense, o atendimento individual e coletivo de crianças, jovens e gestantes está destacado em diversos pontos, favorecendo a educação alimentar e nutricional e de atividade física. Além disso, está no plano incluir as Práticas Integrativas e Complementares - PICS - nos grupos de crianças, adolescentes e gestantes, como auriculoterapia, meditação, shantala; manter as compras de produtos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e criar mecanismos para ampliação gradual do percentual de compras; manter os cuidados com a alimentação escolar, excluindo do cardápio itens como doces; oferecer oficinas de hortas escolares no contra turno escolar em parceria com o Desenvolvimento Rural, para citar algumas metas.

Nas EMEIs, levantamento mostra realidade dos pequenos

Durante o mês de outubro de 2021, foram aferidos o peso e a altura de 399 crianças matriculadas nas EMEIs de Vera Cruz, que estavam presentes no dia da realização deste trabalho executado pela equipe da Secretaria da Educação. Das 399 crianças, 339 (84,97%) apresentaram desenvolvimento adequado no que se refere ao índice de massa corporal para a idade. Entretanto, 60 (15,03%) apresentaram peso corporal não adequado, sendo que 37 (9,27%) com sobrepeso e 19 (4,76%) já com obesidade infantil. Também foram encontrados quatro casos (1,0%) de baixo peso, explica a nutricionista Caroline Ortolan. “Comparando os dados obtidos em 2021 com os encontrados no ano de 2019, observamos uma redução de 0,3% no percentual de crianças com desenvolvimento adequado (de 85,27 para 84,97%). Em relação aos casos de sobrepeso, houve redução de 0,91%, porém, a obesidade teve aumento significativo. Em 2017 o percentual de obesidade era de 1,7%, correspondendo desta forma a um aumento de 3,06% em 2021”, alerta Caroline. Apesar da maior parte dos alunos estar em desenvolvimento adequado, muito em função do cardápio oferecido nas escolas, a profissional chama a atenção para o envolvimento dos pais neste compromisso de zelar por uma alimentação mais saudável, prevenindo o aumento de casos


Foto: Carolina Almeida/Jornal Arauto
Para prevenir avanço desse problema, Município integra estratégia nacional e vai implementar ações ao longo de dois anos
Para prevenir avanço desse problema, Município integra estratégia nacional e vai implementar ações ao longo de dois anos