Sessão solene abre Semana da Consciência Negra em Santa Cruz


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 15/11/2021 12:42
Atualizado 15/11/2021 12:46

Política   HOMENAGENS

Em uma iniciativa do vereador Jéferson Redondo (Republicanos), ocorre na próxima terça-feira (16), às 18h30, uma sessão solene em homenagem à Semana da Consciência Negra. Serão prestadas homenagens alusivas à data, como o primeiro bispo negro do Rio Grande do Sul, o santa-cruzense Dom Gilio Felicio; o primeiro vereador eleito em Santa Cruz do Sul, José Osmar Ipê da Silva e a professora e palestrante Márcia Nunes.

O vereador proponente da sessão solene, Jéferson Redondo, destaca que a sessão é importante por marcar a data dentro do Legislativo. Ele é autor da lei que institui o Dia no dia 20 de novembro e a Semana da Consciência Negra no município.

A proposta de Redondo, articulada com os movimentos sociais, é realizar uma programação organizada pelo conjunto de entidades representativas do movimento negro, em parceria com os órgãos públicos municipais, inserida no contexto das políticas públicas afirmativas de igualdade racial.

As ações desenvolvidas devem envolver debates, palestras, ações culturais e outras atividades com acesso ao público, a fim de aprofundar o conhecimento relativo ao estudo da história da formação da comunidade negra no Brasil e o combate à discriminação racial, fortalecendo a igualdade racial.

A Semana da Consciência Negra prevê ainda a realização de discussões e debates nas escolas municipais, especialmente na disciplina de História, visando o ensino relativo ao estudo da raça negra na formação sociocultural brasileira e a superação do racismo estrutural existente na sociedade. “Trata-se de um conteúdo atual e exige debates e ações. Vivemos, em todo País, cercado por um racismo estrutural histórico, que precisa ser combatido, com ações afirmativas efetivas”, destaca Redondo.

Por outro lado ele observa que Novembro é um mês fundamental para o combate ao racismo, pois o dia 20 é dedicado à igualdade racial, pois foi escolhida pelo povo negro, em homenagem ao mártir Zumbi dos Palmares, principal representante da resistência negra na escravidão do Brasil colonial. “Não negamos que há avanços legais e comportamentais no combate ao racismo. Mas ainda temos muito que avançar, em especial para trabalhar a questão no ambiente das escolas municipais e demais educandários”, justifica.


Foto: Jacson Miguel Stülp/Divulgação/Câmara de Vereadores de Santa Cruz
Ações devem focar no combate à discriminação racial e fortalecendo a igualdade
Ações devem focar no combate à discriminação racial e fortalecendo a igualdade