Stifa percorre 2,3 mil km e amplia relacionamento com equipes de campo


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 28/09/2021 19:36
Atualizado 28/09/2021 19:37

Geral   TABACO

A direção do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz do Sul e Região (Stifa) percorreu 2,3 mil quilômetros para ouvir as equipes de trabalhadores das equipes de campo, que atuam junto aos produtores de tabaco. A atividade envolveu os técnicos rurais da BAT Brasil, e inaugura uma nova postura da entidade, ouvindo o time de campo das indústrias. Os encontros ocorreram nos municípios de Frederico Westphalen, São Lourenço do Sul, Restinga Seca, Santa Cruz do Sul e Camaquã.

O presidente do Stifa, Gualter Baptista Júnior, revela que a ação exigiu disposição para viagens. “Percorremos cinco áreas de gerência territorial da BAT Brasil, em todo o Estado. Foram várias reuniões e mais de 2,3 mil quilômetros de viagem, para ouvir também estes trabalhadores”, destaca.

Baptista Júnior explica que esta atividade – com técnicos rurais da BAT Brasil – acabou sendo pioneira, no entanto, a intenção é envolver os profissionais desta área, que são trabalhadores de outras indústrias com operação no Estado. “É naquele local, na propriedade, que nasce a safra que beneficia a todos. Por isso é necessário que se tenha um olhar sobre estes profissionais e a atividade deles que é de suma importância tanto para a indústria, quanto para o produtor de tabaco”, argumenta.

O presidente explica que a movimentação é, igualmente inédita no Stifa. Porém, a ideia é incorporá-la a atividade sindical, para que esta parte da categoria seja envolvida nos processos de negociações anuais e para que os trabalhadores que atuam diretamente no campo, com as famílias produtoras de tabaco, sintam-se participantes do sindicato. “Queríamos saber o que eles esperam das negociações anuais, que logo irão ocorrer. Foram sete dias de viagem, em cinco reuniões que realizamos com estes trabalhadores”, comenta.

Segundo o presidente do Stifa, atualmente existe uma gama de profissionais que atua no “meio de campo”, entre a indústria e a propriedade rural. “É nosso papel sim, nesta nova visão de administração, incluir todos os trabalhadores, estar presente, próximo deles e ouvir quais são as demandas deles. É preciso que todos sintam-se parte do sindicato”, complemente Baptista Júnior.


Foto: Divulgação/Stifa
Rodadas de conversa com trabalhadores da extensão rural pretende ampliar conversa com parcela da categoria
Rodadas de conversa com trabalhadores da extensão rural pretende ampliar conversa com parcela da categoria