Secretaria de Saúde alerta para surto de mão-pé-boca em Santa Cruz


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 27/08/2021 13:23
Atualizado 27/08/2021 13:28

Geral   FIQUE ATENTO

Santa Cruz do Sul registrou nos últimos dias o surgimento de diversos casos da síndrome mão-pé-boca, causada pelo vírus Coxsackie, em escolas de educação infantil. Em razão disso e para auxiliar na interrupção da cadeia de transmissão, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesa), por intermédio da Vigilância Sanitária, encaminhou às direções das instituições de ensino uma nota informativa para evitar o avanço da doença. 

O documento traz orientações sobre como a síndrome se manifesta, período de incubação, formas de transmissão, manifestações clínicas e medidas de prevenção e controle. A doença afeta principalmente crianças menores de 5 anos e se caracteriza por pequenas feridas avermelhadas na cavidade oral, mãos e pés e é altamente transmissível, portanto ao manifestar sintomas, a criança não deve ser levada à escola e precisa evitar o contato com outras crianças e adultos, mesmo no ambiente domiciliar. 

Até o momento, segundo a Vigilância Sanitária, foram registrados três surtos em escolinhas, sendo dois em Linha Santa Cruz e um no centro da cidade. Cada local apresentou mais de dez crianças diagnosticadas. Amostras de material oram coletadas e encaminhadas ao Lacen. Além de acompanhar a situação, a Vigilância monitora os casos atendidos nos hospitais, UPA e Casa de Saúde. A 13ª Coordenadoria Regional de Saúde foi informada e está dando apoio nos devidos encaminhamentos.

De acordo com Francine Braga, coordenadora do setor de Vigilância e Ações em Saúde,  a transmissão se dá através do contato direto entre as pessoas ou com fezes, saliva e outras secreções ou ainda por alimentos e objetos contaminados. Ela reforça a necessidade das medidas de prevenção. “Estamos orientando as escolas para que intensifiquem a limpeza das salas e ampliem os cuidados com a higiene pessoal, principalmente das mãos. Também pedimos que as direções informem os pais quando da ocorrência de casos, como forma de prevenir ou evitar o contágio”, observou.

A ocorrência de casos também deve ser informada pela escola à Vigilância Sanitária, que procede à investigação da doença.  A incidência de três ou mais casos dentro de uma mesma instituição será notificada como surto. A comunicação deve ser feita para o e-mail vig.epidemio_scs@yahoo.com.br (com Vanda), com cópia para giseli.fiscalizacao@santacruz.rs.gov.br . É necessário informar também no e-mail, um telefone para contato e uma pessoa de referência.

Medidas de prevenção e controle: 

  • O risco de transmissão para a doença Mão-Pé-Boca pode ser reduzido através das seguintes boas práticas de higiene: 
  • Manter uma boa higiene ambiental e um sistema de ventilação adequado em recintos fechados;
  • Lavar as mãos com frequência, principalmente após ir ao banheiro (pois o vírus também é eliminado pelas fezes) e antes de manusear alimentos. Nas creches, é preciso ter muito cuidado com a higiene das mãos na hora de trocar as fraldas, para que os profissionais não transmitam o vírus de uma criança para outra; 
  • Afastar as pessoas contaminadas de suas atividades de trabalho e escola, até o desaparecimento dos sintomas; além disto, recomenda-se evitar lugares de aglomeração; 
  • Lavar com água e sabão e desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (1 colher de sopa de água sanitária diluída em 4 copos de água limpa) toda a superfície de objetos, brinquedos, paredes, interruptores, maçanetas, mesas, cadeiras, entre outros que possam entrar em contato com secreções e fezes dos indivíduos doentes;
  • Retirar da sala brinquedos cujo material seja de difícil higienização (ex. bichos de pelúcia e objetos semelhantes) durante o período de ocorrência do surto; 
  • Descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas; 
  • Não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos; 
  • Evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (como abraçar e beijar); 
  • Cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir; 
  • Trocar e lavar diariamente as roupas comuns e roupas de cama de doentes, pois podem ser fontes de contágio (principalmente se houver secreção das lesões da pele.

Foto: Imagem: iStock/Divulgação
Doença afeta principalmente crianças menores de 5 anos e se caracteriza por pequenas feridas avermelhadas na cavidade oral, mãos e pés e é altamente transmissível
Doença afeta principalmente crianças menores de 5 anos e se caracteriza por pequenas feridas avermelhadas na cavidade oral, mãos e pés e é altamente transmissível