Reunião especial debate obrigatoriedade da ligação das fossas à rede coletora pública


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 03/06/2021 19:06
Atualizado 03/06/2021 19:08

Política   SANTA CRUZ

A Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Sul realiza reunião especial na próxima segunda-feira (7), a partir das 14h, para debater a obrigatoriedade da ligação das fossas das residências à rede pública de esgoto. Segundo o autor do requerimento para a realização da reunião, vereador Francisco Carlos Smidt (PSDB), esta é uma exigência da Corsan, o que está gerando notificações e aplicação de multas aos que não se adequam a esta exigência.

Para a reunião foram convidados representantes da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan); Prefeitura Municipal; Agência Reguladora de Serviços Públicos e Delegados de Santa Cruz do Sul (Agerst) e a promotoria de Defesa Comunitária.

O vereador Francisco Carlos Smidt destacca que existe um clamor de um “incontável número de pessoas” da comunidade que estão apavorados pelo fato de não terem condições de se adaptarem às exigências da Corsan, que estão obrigando as pessoas a fazerem ligação das fossas das casas à rede coletora da empresa.

“Um dos problemas diz respeito à situação de casas que se localizam abaixo do nível da rua em que  passa a rede coletora da Corsan, com o que não é possível fazer a ligação. A cada cinco casas de consumidores, uma encontra-se em situação de desnivelamento. Neste caso, o consumidor teria que adquirir uma bomba elétrica e canos, o que custa em médica, R$ 5 mil”, observa Carlão.

Ele cita que a grande maioria dos consumidores tem poucos recursos financeiros, não tendo condições, muitas vezes, de pagar a taxa de consumo mensal de água e, muito menos, em pagar este valor. O prazo exigido pela Corsan para esta adaptação era o mês de abril deste ano e haverá cobrança de multa para quem não se adequar ao exigido.

 “No que diz respeito a multa, ela será o dobro da cobrança normal do valor estipulado para a coleta do esgoto. Assim, entendo que a situação precisa ser reestudada e readequada, no sentido de que esta obrigatoriedade não fira a vida das pessoas e que seja respeitada condição de vida e financeira dos consumidores e clientes da Corsan”, justifica.


Foto: Divulgação
Para a reunião foram convidados representantes da Corsan, Prefeitura, Agerst e a promotoria de Defesa Comunitária
Para a reunião foram convidados representantes da Corsan, Prefeitura, Agerst e a promotoria de Defesa Comunitária