"É inaceitável que as operações do varejo continuem fechadas", afirma presidente da CDL


Por: Portal Arauto
Publicado 21/03/2021 10:50
Atualizado 21/03/2021 10:50

Geral   EXPECTATIVA

Anunciado pelo governador Eduardo Leite na última sexta-feira (19), o retorno do modelo de cogestão e as flexibilizações na bandeira preta deram ânimo aos empresários do setor do comércio e prestação de serviços - considerados não essenciais - impossíbilitados de abrir as portas há duas semanas. No entanto, uma liminar expedida pelo juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central da Comarca de Porto Alegre, suspendeu temporiamente a decisão do Estado neste sábado (20).

O cenário, gerou apreensão e incertezas por parte dos comerciários. Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes e Lojistas (CDL) de Santa Cruz, Ricardo Bartz, o sentimento é de revolta devido à maneira como a decisão de suspender a cogestão foi tomada. "Recebemos demandas dos nossos associados durante todo o dia e sentimos na fala de todos eles essa revolta e isso nos assusta, porque já percebemos manifestações de empresários que afirmaram que irão abrir na segunda de qualquer jeito, então acho que pode chegar num ponto que o Poder Público vai começar a perder o controle. Nós quanto entidade orientamos os lojistas a seguir todas as regras e os protocolos de saúde, mas entendemos também que há decisões que são indivuduais dentro de cada negócio", analisa. 

Para ele, a expectativa é positiva quanto a um retorno na segunda-feira, considerando os recursos enviados na tentativa de derrubar a liminar e também pelo fato de que não há outro cenário possível a não ser a liberação das atividades com restrições. "Nós não enxergamos outra possibilidade. É inaceitável que as operações do varejo independente se for do comércio ou prestação de serviços, continuem fechadas. Profissionais dos mais destintos segmentos estão amargurando prejuízos, parados e precisando pagar as contas", considera Bartz.

Ainda, de acordo com o presidente, a entidade aguarda a decisão para que as empresas possam se organizar e reabrir na segunda-feira.


Foto: Jacson Miguel Stülp/ Assessoria de Imprensa
"É inaceitável que as operações do varejo continuem fechadas", afirma presidente da CDL