Cada vez mais escassa, água deve ser tratada como prioridade


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 21/03/2021 07:00

Geral   CONSCIENTIZAÇÃO

“Sem água, não há vida.” Essa frase, considerada um clichê, pode causar espanto em algumas pessoas, mas é a mais pura realidade. Sem este recurso natural, tudo aquilo que conhecemos desapareceria, inclusive nós, os seres humanos. Embora esta perspectiva pareça assustar, ainda são vistos inúmeros casos de falta de conscientização. Mas existem, também,  exemplos de pessoas e instituições que valorizam o recurso hídrico tão valioso e fundamental para o bem de todos.

Protetor das Águas

Criado em 2011, o Projeto Protetor das Águas ambicionava proteger as nascentes e áreas ripárias do Arroio Andreas. Após 10 anos de ações, pode-se afirmar que os resultados positivos obtidos vão muito além da questão hídrica. Uma mudança de hábitos e costumes ocorreu para que fosse possível garantir a manutenção da bacia hidrográfica mais importante de Vera Cruz.

Conforme a responsável técnica pela Estação de Tratamento de Água (ETA) de Vera Cruz e atual coordenadora do Projeto Protetor das Águas, Tanise Etges, a principal conquista do projeto pôde ser confirmada nas últimas estiagens registradas. “Preservar as nascentes e as matas ciliares é primordial para a existência humana, animal e vegetal. Nas últimas secas, tivemos água em quantidade suficiente para abastecer a população de Vera Cruz, sem necessidade de racionamento. Isso é algo muito bom para o município”, explica Tanise.

Cuidado com as nascentes é fundamental para evitar desabastecimento

A região serrana de Vera Cruz é considerada o berço das nascentes do Arroio Andréas. Em Linha Dona Josefa, Leci e Alberto João Pritsch residem há cerca de 27 anos na propriedade que conta com cinco nascentes em seus mais de 12 hectares de área.

Conforme a agricultora, a preservação da natureza e o cuidado com as nascentes sempre estiveram presentes na família que, de maneira recorrente, verificava as vertentes. Além disso, Leci revela que criou um hábito muito forte de plantar árvores em sua propriedade, costume esse que chama atenção de quem visita a família pela beleza que as árvores nativas plantadas por Leci proporcionam. “A gente sempre buscou preservar as nascentes plantando árvores pela propriedade. Sempre estou plantando árvores, tanto que quem nos visita se impressiona pela quantidade delas em volta da nossa casa”, afirma.

Segundo Leci, o Projeto Protetor das Águas se tornou um incentivo ainda maior para a família cuidar das nascentes e fez com que aqueles que não tinham muito cuidado, acabassem se conscientizando.  A agricultora complementa que todos devem se atentar para a questão hídrica. “O jeito é ter consciência e cuidar, pois a gente já vê aqui, mesmo com todos os cuidados que temos com a água, que o arroio fica bem fraco em períodos de estiagem, ele baixa muito. Em anos anteriores não era assim”, alerta Leci, que defende uma maior conscientização com a natureza.

Seja de pedra ou de plástico, cisternas são aliadas no racionamento de água

Elisete de Fátima Rosa e Clair da Rosa moram há 20 anos em sua chácara na Linha Dois de Dezembro, interior de Vera Cruz. Junto deles, a companheira inseparável é a cacimba, que já estava na propriedade quando se mudaram para o local.

Segundo Elisete, a água armazenada da chuva é utilizada em muitas ocasiões, como na irrigação de plantas e verduras, nos fornos e também na lavoura. A cisterna, que na região é popularmente conhecida como “cacimba”, conta ainda com um motor que puxa a água de dentro do reservatório quando é necessário. Durante os períodos de chuva, uma calha que acompanha toda a lateral da casa é responsável por garantir o abastecimento da cisterna. Gerando economia na hora de pagar a conta de água e também sendo uma forma de racionar um recurso valioso em todo o mundo, Elisete afirma que os benefícios da cisterna chegarão às próximas gerações. “Acredito que devemos pensar no futuro, principalmente para as próximas gerações, pois se a gente não poupar e cuidar agora, vai faltar água no futuro”, ressalta a vera-cruzense.

As cisternas também têm ganhado espaço em Santa Cruz do Sul. Na casa da professora universitária Fabiana Piccinin, a novidade na parte externa da casa chegou há pouco tempo, em abril de 2019. No entanto, os cuidados com o uso da água já se faziam presentes na vida de Fabiana há muitos anos. A ideia de instalar um reservatório surgiu diante de uma observação da docente, que visualizava um possível aproveitamento da água nos períodos chuvosos para armazenar e posteriormente utilizar para realizar atividades que não dependessem exclusivamente de água tratada.

Fabiana ainda reforça que é necessário uma conscientização maior por parte da população para que seja possível a manutenção dos recursos hídricos. “A água é o fundamento da vida, pois nós somos água em boa parte do nosso corpo. Sem ela, a gente não sobrevive. É um bem muito rico e precioso que temos no Brasil. Dessa forma, devemos realizar o seu uso consciente e termos respeito com a água”, complementa a professora universitária, que ainda revela ter entre as suas principais questões de reflexão, o cuidado com a questão ambiental.

 Como fazer o uso consciente?

Conforme o coordenador do Departamento Municipal de Meio Ambiente de Vera Cruz, Ricardo Konzen, é necessário difundir a importância  do uso correto da água, incentivando projetos voltados para a preservação deste imprescindível recurso natural. Ainda, Konzen reforça que ações importantes devem ser  realizadas para evitar o desperdício. “ Acredito que uma das melhores maneiras de fazer o reaproveitamento de água seja através de um sistema próprio de captação da chuva, podendo ser utilizada para irrigação dos jardins, lavagem de carros e calçadas, limpeza das residências - interna e externa - e descargas de banheiros. Além disso, seria interessante termos projetos de educação ambiental nas escolas, focando a preservação dos recursos hídricos e o uso racional da água nas atividades do dia, como: tempo no banho, torneira aberta ao escovar os dentes , ao fazer a barba, ao lavar a louça”, orienta. Konzen complementa lamentando o desperdício que ocorre em muitas residências. “As pessoas ainda desperdiçam muita água porque não entenderam que a água é um recurso finito, que pode acabar. Preservar os recursos hídricos é preservar a nossa existência. A falta de água é uma ameaça à nossa espécie”, finaliza.

 


Foto: Gabriel Fuelber/Jornal Arauto
Alberto e Leci Pritsch sempre tiveram em sua propriedade o cuidado com as nascentes e os arroios
Alberto e Leci Pritsch sempre tiveram em sua propriedade o cuidado com as nascentes e os arroios

Foto: Arquivo Pessoal
Elisete e Clair utilizam água armazenada nas plantas e lavouras
Elisete e Clair utilizam água armazenada nas plantas e lavouras

Foto: Arquivo Pessoal
Cisterna na casa de Fabiana ajuda a manter quintal cheio de vida
Cisterna na casa de Fabiana ajuda a manter quintal cheio de vida