Para quem escolheu se desafiar, uma data para comemorar


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 21/02/2021 15:00

Geral   DIA DO ESPORTISTA

Wilson Figueiredo Pereira tem 34 anos, é encarregado de rede elétrica e decobriu aos 30 anos o esporte que iria mudar a sua vida para sempre: o ciclismo. 

Conforme revela Wilson, o início dentro do ciclismo pode ter sido tardio, mas sempre foi muito intenso. Além de desafiar o próprio corpo, a possibilidade de apreciar as belezas naturais da região fizeram com que o esporte se tornasse um hábito, que possibilita o equilíbrio de uma vida saudável com as funções do dia a dia. “O ciclismo já me levou para muitos lugares, proporcionando ver paisagens que muitas vezes passamos e nem percebemos, como uma cascata, uma gruta, entre tantas outras belezas. Além disso,  me fez conhecer muitas pessoas, de várias regiões, que se unem por um sentimento de liberdade que a bicicleta proporciona”, ressalta o ciclista.

Bem-estar

Wilson conta que o sentimento de liberdade é um dos motivos que faz com que o esporte seja tão prazeroso. “Me sinto recarregado de boas energias nos momentos em que me conecto com a bicicleta, acabo esquecendo dos problemas. Estar se locomovendo com o seu próprio esforço e não depender de nada além de você e a bicicleta faz com que se tenha esta sensação de liberdade”, afirma o ciclista, que ainda revela participar de eventos e provas com recursos próprios em prol da divulgação do esporte.

Para o futuro, Wilson projeta se aperfeiçoar cada vez mais para conseguir realizar boas provas, buscando uma melhoria contínua em sua performance. Para isso, o ciclista treina três vezes por semana, objetivando melhores resultados. Muito além das competições, outro fator que faz com que o ciclista curta cada vez mais pedalar é as amizades que já conquistou nestes quatro anos de pedal. Segundo Wilson, a sua entrada na modalidade já tem atraído outros esportistas. “Já inspirei muita gente a praticar  este esporte viciante chamado ciclismo”, ressalta o ciclista vera-cruzense.

Paixão pelas corridas que rende experiências

Jaqueline Beatriz Weber tem 25 anos e é atleta profissional. A descoberta de sua afinidade com o esporte, em especial o atletismo, teve início na escola e, desde então, o que começou como brincadeira virou sua profissão.

Muito além de fazer o que gosta, a atleta revela ser um prazer poder trabalhar com uma de suas maiores inspirações, Fabiano Peçanha, que atualmente é seu treinador. Parte imprescindível no seu sucesso, a família tem papel fundamental na vida de Jaqueline. “Sempre tive o amparo dos meus pais e irmãos. Se não fosse eles, eu não teria chegado onde cheguei na minha carreira desportiva”, conta a atleta.

Determinação

Tendo iniciado sua trajetória aos 10 anos, representando o Colégio Teutônia, Jaqueline afirma que para ter bons resultados no esporte é necessário buscar a evolução da mente e do corpo através do movimento, mas com muita dedicação. “É 1% de inspiração e 99% de transpiração. É doar-se 100% em prol do objetivo, sendo fundamental uma rotina de treinamento, recuperação e alimentação. Claro que o talento ajuda alguns a terem resultados mais expressivos que os outros, mas já vi muito atleta dedicado fazendo carreiras incríveis no esporte”, ressalta  a esportista.

Segundo Jaqueline, o sentimento que permeia todas as suas atividades é a gratidão. “Tenho muita gratidão a Deus por ter me dado um pequeno dom e muita força para buscar meios de me manter ativa como atleta. Talvez esse seja o segredo da vida, achar meios de fazer aquilo que se ama”, ressalta a atleta, que finaliza afirmando que o esporte é sempre um desafio. “Não existe uma receita mágica, portanto estamos sempre buscando ser melhores que ontem, e isso te tira da zona de conforto e faz o coração bater mais forte”, complementa.

Conquistas

Desde que iniciou a carreira no atletismo, a atleta afirma que foram muitas as medalhas que conquistou. “Confesso que depois de alguns anos parei de contabilizar exatamente, mas sei que são mais de 450 medalhas. Quando a gente se torna profissional, acaba tendo que focar mais em algumas competições. Portanto, por vezes o volume de medalhas é menor, buscamos mais qualidade no resultado”, reforça a competidora, que se orgulha de alguns troféus em especial. “Considero meus dois bronzes em Troféu Brasil minhas principais medalhas. Além do título Pan Americano Universitário, me tornando a maior atleta das Américas nos 800 metros. Tenho também alguns títulos nacionais de categorias de base que foram muito significativos para mim”, afirma.

Além dos títulos, um ponto que Jaqueline destaca são as vantagens que a prática de exercício físico traz ao corpo. “Os benefícios para a saúde são inúmeros, como por exemplo o aumento da expectativa de vida e principalmente um envelhecimento com qualidade, diminuição no desenvolvimento de doenças cardíacas e pulmonares, redução de peso e aumento de massa muscular, aumento da densidade óssea, entre outros. Mas diria que o principal está na melhora da autoestima, pois o esporte permite um momento de conexão consigo mesmo, quando podemos conversar com nossas partes mais profundas e buscar soluções para desafios do nosso cotidiano”, finaliza a atleta.


Foto: Divulgação
Esporte proporcionou para Jaqueline e Wilson diversas conquistas
Esporte proporcionou para Jaqueline e Wilson diversas conquistas