Foco e determinação: os desafios do ciclista santa-cruzense que alça pedaladas mais longas


Por: Portal Arauto
Publicado 29/11/2020 19:35
Atualizado 29/11/2020 19:44

Esportes   ESPORTE

Aos três anos de idade, nas primeiras pedaladas, Tales Jardel Soares, de 16 anos, já demonstrava que tinha gosto pelo ciclismo. Os anos se passaram e o garoto, que nem mesmo precisou das tradicionais rodinhas, cresceu e tornou o ciclismo um esporte para a vida. Empolgada a mãe, Joseane Becker, lembra a história de superação do filho, animada com o que ainda está por vir. No início de dezembro, o atleta da Diversoul Bikes, de Santa Cruz do Sul, tem pela frente o maior desafio da carreira: o campeonato gaúcho das modalidades XCO e XCM, disputada na cidade de Itaara, no Centro do Estado.

De acordo com o empresário e também atleta, Luciano Tortorelli, o Cross Country Olímpico – XCO – é uma modalidade mais radical que varia entre seis e 20 quilômetros na forma de circuitos. Já o Cross Country Maratona – XCM – são realizadas em estradas de terra, trilhas ou asfalto. As provas são feitas em circuitos longos e sem dar mais de uma volta.

Mesmo com uma trajetória curta no esporte Tales já acumula troféus e projeta os próximos desafios. “Ainda em dezembro vou participar do Campeonato Gaúcho, o que já é um grande desafio, mas meu objetivo é o brasileiro. Se o ano não tivesse sido atípico, possivelmente também estaria inscrito nesta competição. Mas a ideia é que em 2021, eu possa disputar”, explica em um misto de empolgação e preocupação, o jovem atleta.

Assim como em outros esportes, tanto a equipe como o atleta buscam por patrocinadores para desenvolver o esporte na região.

As primeiras pedaladas

O pai, Jardel Soares, lembra com emoção das primeiras pedaladas do filho, que com dois anos e oito meses, e em uma bicicleta maior do que a ideal para a idade do garoto, tinha os primeiros desafios. “Eu nem coloquei ‘rodinhas’, até pra ver como ele se sairia, eu sabia já que ele tinha habilidade, porque em outra oportunidade ele já havia demostrado. Ele saiu cambaleando nas primeiras oportunidades e desde lá ele começou a ganhar equilíbrio e hoje está aí, competindo em cima de uma bicicleta”, lembra.

A segunda bicicleta de Tales foi uma aro 24, que era ainda menos adaptada a idade. O tempo, contudo, fez com que o gosto pelo esporte, atrelado ao estudo, mostrasse o equipamento ideal para o atleta. Com apoio de patrocinadores, Tales, usa equipamentos profissionais para os treinos e competições.

Preparação

Não é só de subir na bicicleta e pedalar que Tales vive. Atencioso às tarefas escolares, o menino também tem o acompanhamento de diversos profissionais parceiros, como é o caso de Tânia Zanella. A fisioterapeuta acompanha o desenvolvimento do menino e conta como o conheceu, após ser apresentado pelo também ciclista Carlos Alves, o Kpiva. “Eu fiz uma série de palestras voltadas a ciclistas e me falaram que o Tales tinha futuro, decidi então apoiar ele”, explica.

Tânia ainda conta que pela idade do atleta, que passa por uma fase de mudanças, a preparação precisa ser focada em alguns aspectos. “Eu atuo, mais diretamente na dor. O Tales dificilmente tem isso. O trabalho que eu faço é na verdade de prevenção às dores que ele possa vir a ter, até para que ele consiga competir e treinar sem dores e lesões. Isso consequentemente reflete no desempenho dele, o que trabalhamos diretamente também”, explica a fisioterapeuta.


Foto: Rafael Cunha/Portal Arauto
Atleta, de apenas 16 anos, pretende competir no brasileiro da modalidade em 2021 e busca apoio para o feito
Atleta, de apenas 16 anos, pretende competir no brasileiro da modalidade em 2021 e busca apoio para o feito

Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal
Foco e determinação: os desafios do ciclista santa-cruzense que alça pedaladas mais longas


Foto: Rafael Cunha/Portal Arauto
Foco e determinação: os desafios do ciclista santa-cruzense que alça pedaladas mais longas