Abrigo de animais de Vera Cruz atinge superlotação, dificultando novos resgates


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 29/09/2020 20:00

Geral   NA PANDEMIA

O espaço onde são abrigados os animais recolhidos pela Prefeitura de Vera Cruz, denominado abrigo Amigos de Quatro Patas, atingiu a lotação máxima na semana passada – consequência dos constantes casos de abandono. A informação foi confirmada pelo Conselho Municipal de Proteção, Assistência e Tratamento de Animais (Compata), através de sua página no Facebook. Na publicação, o Conselho informa que a situação impossibilita o resgate de outros cães e gatos doentes, abandonados, atropelados ou que sofrem maus tratos que, após recolhidos pela Vigilância Sanitária ou Secretaria de Saúde e Meio Ambiente, permanecem no espaço até encontrarem um lar. Dessa forma, apenas as situações de emergência, como  de atropelamento e maus tratos, estão sendo atendidas.

Conforme o Compata, ao mesmo tempo em que o número de adoções cresceu durante a pandemia, os registros de abandono despontaram, principalmente no interior - onde chegam a ser recolhidos de dois a três animais em um mesmo dia. Outros fatores que contribuem para a superlotação do abrigo são a inviabilidade de realizar as feiras de adoção neste ano atípico, bem como as devoluções. O órgão explica que diversos pets são adotados, mas devolvidos quando crescem ou demandam mais atenção dos donos. 

Atualmente, 15 cães e uma gata estão abrigados no espaço, que fica junto a uma clínica veterinária - conveniada ao Município. Além deles, duas cadelas – uma delas com quatro filhotes – e duas gatas passam por tratamento em Santa Cruz do Sul, sendo que posteriormente serão encaminhadas ao abrigo. 

COMO AMENIZAR A SUPERLOTAÇÃO?

Para que outros animais possam ser resgatados no município, os que estão no abrigo precisam ser adotados ou acolhidos em lar temporário até a adoção. Infelizmente, conforme o Compata, no município ainda não está enraizada a cultura de lar temporário e atualmente não há nenhum animal recolhido pela Prefeitura que esteja sob esta forma de cuidados. Dessa forma, o Conselho pede a colaboração de moradores para que se tornem lar temporário ou adotem de forma responsável. 

Para adotar ou se voluntariar para lar temporário dos cães e gatos, basta ir até a clínica veterinária Wazlawik, que fica na rua Thomaz Gonzaga, 627, no centro – onde fica o abrigo - ou entrar em contato através do telefone (51) 3718-1535. Os animais abrigados são microchipados, vacinados e castrados, além de receberem vermífugo e anti-pulgas. Fotos dos companheiros de quatro patas estão disponíveis no Facebook do abrigo Amigos de Quatro Patas.

Canil Municipal, de Santa Cruz, prioriza emergências

O Canil Municipal de Bem Estar Animal, de Santa Cruz do Sul, também está com ocupação acima da ideal. O local tem capacidade de albergagem de 47 animais, entre cães e gatos, mas possui 77 animais sob responsabilidade, sendo 73 cães, distribuídos no próprio Canil, lares temporários, e internados em uma clínica veterinária conveniada para tratamento. Conforme o veterinário e responsável pelo espaço, Tiago Marques, os protocolos de recolhimento têm aumentado e, na maioria das vezes, são de animais sadios que ocupam a vaga de outros em situação de emergência. “Diante das poucas adoções que têm ocorrido desde o início da pandemia, o atendimento prioritário tem sido a animais em situação de urgência/emergência. Sempre que um animal é adotado é aberta vaga para um novo recolhimento”, salienta. 

Entre os fatores que possibilitam o recolhimento de mais animais, Tiago cita os lares temporários, que acolhem os pets até que sejam adotados. "Muitos deles são idosos ou filhotes que necessitam de cuidados intensivos e constantes, bem como de um local onde tenham muita atenção e amor, já que estão em situação muito delicada. Sempre que necessitamos e solicitamos lares temporários somos prontamente atendidos por pessoas comovidas com a situação de vulnerabilidade e dispostas a dedicarem um pouco de seu tempo, espaço de suas residências, carinho, amor e atenção para melhorar e modificar a situação destes animais", afirma. 

Atualmente, 54 cães estão disponíveis para adoção responsável, além de dois gatos. Os animais são castrados, microchipados, vermifugados, vacinados e fazem o teste para leishmaniose, além disso, os gatos passam por teste para FIV/Felv. Outros 21 animais encontram-se em tratamento, aguardando o período de quarentena, a data de esterilização/castração ou a idade para receber a primeira dose de vacina polivalente e ser desmamado (filhotes).

Para adotar, os interessados podem entrar em contato via Facebook do Canil Municipal - onde estão publicadas fotos dos animais - , agendar um horário e, após, deslocar-se ao Canil Municipal de Bem Estar Animal para conhecer o animalzinho e proceder com a adoção responsável. Os agendamentos são feitos de segunda à sexta-feira, das 9h30min às 12 horas. "O proponente à adoção responsável passará por uma entrevista socioambiental e assinará um termo de adoção responsável. Esse ato não tem custo algum para o adotante e ele dispõe de um período de 10 dias para adaptação do animal adotado ao novo lar", explica o responsável pelo espaço. O Canil Municipal está localizado na rua Victor Frederico Baumhardt, nº 2581, no bairro Dona Carlota. 

ONG PROTETORES

Assim como o abrigo municipal de Vera Cruz, recentemente, a ONG Protetores, de Santa Cruz do Sul, suspendeu os resgates de animais temporariamente. Em nota divulgada nas redes sociais, a ONG explica que 17 animais estão em tratamento, o que requer atenção redobrada dos voluntários. O texto informa, ainda, que acontecimentos recentes como a morte de diversos animais de responsabilidade da ONG, além das devoluções têm desgastado o emocional dos voluntários e os feito repensar sobre a continuidade do trabalho. “Nossas dívidas em clínicas veterinárias estão altíssimas novamente, mas seguimos lutando por esses que estão sob nossa responsabilidade”, dizia o comunicado. Os Protetores continuam com animais disponíveis para adoção, divulgados através da página no Facebook.


Foto: Taliana Hickmann / Jornal Arauto
16 animais estão no abrigo atualmente e, além deles, quatro estão em tratamento
16 animais estão no abrigo atualmente e, além deles, quatro estão em tratamento