“O que me inspira é a história”, diz Ilse O’Meagher, artesã santa-cruzense


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 27/09/2020 07:00

Geral   DEDICAÇÃO

O amor e a paixão por Santa Cruz do Sul representados nas mais diversas pinturas. A mistura de cores e formas é característica da santa-cruzense Ilse Maria Forster O’Meagher, que há mais de 40 anos se entrega ao dom da arte. A artista registra com tintas casas memoráveis e utiliza de diferentes técnicas para fixar as lembranças de uma Santa Cruz histórica e autêntica, através de acessórios e objetos dos mais variados, como xícaras, guarda-chuvas, azulejos e os prediletos dos visitantes: pratos de porcelana, um dos utensílios de decoração mais requeridos pelos turistas.

Nascida no Centro do município, desde criança a artesã realizava as tarefas escolares com riqueza de detalhes. No entanto, não imaginava que esta se tornaria uma aptidão e uma dádiva, como ela mesmo se refere. A carreira da pintora só teve início na década de 60, quando ela e o esposo, Patrick O’Meagher, recém-casados, foram de mala e cuia para Belo Horizonte. Em terras mineiras, Ilse conta que aos domingos, como de costume, as caminhadas contornavam as praças e parques, famosos pelas grandes exposições de artes.

O despertar da santa-cruzense para as pinturas veio através da contemplação de desenhos de prédios históricos da cidade produzidos com bico de pena – ferramenta utilizada para escritas e ilustrações. “Morávamos ao lado do Palácio das Artes, um dos centros culturais mais importantes de Minas Gerais. Foi neste local e nos passeios à Praça da Liberdade que me interessei pela arte, ou melhor, em querer criá-la com as minhas próprias mãos”, lembra Ilse, animada.

PRIMEIRAS PINCELADAS

Em 1972, em solo santa-cruzense, a vontade em produzir, já bastante aguçada,  desabrochou inteiramente, e os passos para a realização do primeiro curso foram dados. “Na época, a moda era pintura em porcelana. Minha primeira técnica foi na porcelana, trabalho que executei por anos, até estrear em outras técnicas”, ressalta.

As primeiras figuras evidenciavam a arquitetura e as construções reconhecidas no município como cartões postais: a Catedral São João Batista, Igreja Evangélica, Prefeitura e a Estação Férrea, entre outros pontos turísticos admiráveis da cidade. “Ao conhecer um novo lugar, é tradição trazer na bagagem lembranças que remetem ao lugar visitado. Eu trouxe de Belo Horizonte ideias de artistas de lá e uni o amor pela minha cidade à arte. O que me inspirou e ainda me inspira é a história”, ressalta.

Ilse salienta que da mesma forma que trouxera lembranças físicas de Minas Gerais, deseja o mesmo para quem vem visitar a terra da Oktoberfest. “Artefatos históricos ocupam espaços nas prateleiras e carregam recordações dos momentos vivenciados. Meu propósito é fazer com que os turistas levem consigo um pedaço da história de Santa Cruz do Sul”, enfatiza a artista.

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL

Ilse tem peças espalhadas pelo mundo. Algumas viajaram até Londres, China e Japão. “Um cliente de Londres me disse uma vez que nunca tinha visto um trabalho tão minucioso e delicado e que exprimisse tão fielmente a identidade de uma cidade”, relembra, emocionada.

Ela conta ainda que a visita de japoneses a Santa Cruz do Sul anos atrás rendeu a produção de troféus com as gravuras dos prédios históricos daqui para uma premiação de um campeonato de golfe japonês. “Me senti realizada em ter a história da minha cidade expressa em prêmios para outro país. Ser pintora é a realização de um sonho. Me sinto honrada em poder expressar o meu amor  por Santa Cruz através da minha arte”, reforça a artesã.


Foto Caroline Moreira/Jornal Arauto
Ilse exibe  orgulhosa os itens  confeccionados por ela
Ilse exibe orgulhosa os itens confeccionados por ela

Foto Caroline Moreira/Jornal Arauto
Pratos de porcelana são um dos utensílios de decoração mais requeridos pelos turistas
Pratos de porcelana são um dos utensílios de decoração mais requeridos pelos turistas