Consumidor precisa desembolsar cerca de R$ 25 para levar cinco quilos de arroz e um litro de óleo


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 11/09/2020 07:06
Atualizado 11/09/2020 10:01

Geral   IMPACTO NO BOLSO

Essencial na mesa das famílias, o arroz e o óleo de cozinha, o tradicional azeite, tiveram os preços disparados nos supermercados nas últimas semanas, o que pesou no bolso dos consumidores. Se antes o cliente comprava os dois produtos - cinco quilos de arroz e um litro de óleo - a um preço aproximado de R$ 15, hoje ele precisa desembolsar em torno de R$ 25.

Para o empresário do ramo de supermercado, Maurício Back, o valor dos alimentos básicos está subindo por diversos fatores. “Com as exportações e a pandemia, aliadas ao período de seca no início do ano, muitas indústrias estão praticamente suspensas, com o número de funcionários reduzidos, e isso trouxe o aumento dos preços”, avalia.

Ao circular pelos corredores dos supermercados - seja os de Vera Cruz ou os de Santa Cruz do Sul -, o preço do saco de cinco quilos de arroz varia de R$ 15 a quase R$ 30, dependendo da marca.

O preço do óleo de cozinha também teve aumento considerável recentemente, passando a marca de R$ 5 o litro. Conforme a gestora comercial de uma padaria em Vera Cruz, Carolini Schuh Gregis, essa é uma preocupação que deriva desde o início do ano, quando os valores começaram a subir e em março, foi preciso fazer um reajuste. “Estamos segurando o máximo para não refletir essa revisão no custo final. Passamos a investir mais em produtos assados e em novas receitas que não careçam tanto do óleo”, afirma Carolini, ao referir-se, por exemplo a grande quantidade utilizada pela padaria, principalmente na fritura de itens.

PARA FREAR O PREÇO
A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) fez um pedido aos supermercadistas para tentarem não aumentar os preços, a não ser quando o produto já chega do fornecedor com valor elevado, para evitar que o consumidor seja prejudicado. Nesta semana, também, a Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro. O objetivo é conter o aumento expressivo no preço ao longo dos últimos meses.

O AUMENTO
A valorização do dólar em relação ao real explica a alta dos preços do arroz e do óleo. Essa condição, apontam especialistas, incentiva os produtores a ampliarem as exportações. Outro motivo vem do Auxílio Emergencial. O benefício do Governo Federal, que é destinado, em grande parte, para a população mais carente, estimula o crescimento do consumo.


Foto Caroline Moreira/Jornal Arauto
Para frear aumento, zero imposto de importação do arroz
Para frear aumento, zero imposto de importação do arroz