Procura por aulas musicais aumenta cerca de 40% na pandemia


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 06/09/2020 15:00
Atualizado 06/09/2020 15:32

Geral   MÚSICA

Dó–ré–mi–fá–sol–lá–si. Essas notas musicais te representam algo a mais? Em tempos de pandemia, em que o novo coronavírus tem afetado o mundo de diferentes formas, inclusive quando se fala em aprendizagem, são as partituras, fiéis companheiras neste período. Com a importância do isolamento social, aprender um instrumento novo tem se tornado um refúgio para muitas pessoas, que transformam a preocupação e o retiro em arte e companhia.

Este é o caso do Ismael Felipe Müller da Silva, de 18 anos. O jovem tem aproveitado os tempos de quarentena para se dedicar aos estudos da música e praticar instrumentos. Ismael iniciou no campo musical em 2015, e, desde então, tem desenvolvido sua aptidão para o teclado e violão.

No entanto, há cerca de dois meses, tem se dedicado a aprender um novo instrumento: saxofone. Segundo Ismael, as aulas têm auxiliado na parte motora e emocional. É o que diz também o professor de música Evelter Tudendi Corrêa, que exerce a profissão há 30 anos e possui uma academia de música em Santa Cruz do Sul há mais de 20. Para o profissional, a música é um exercício terapêutico natural. “A música é o único remédio sem contraindicações. É uma ferramenta a serviço do bem-estar e da qualidade de vida do ser humano”, considera.

Segundo Corrêa, a procura por aulas musicais tem aumentado cerca de 40% neste período, pois as pessoas têm buscado alternativas para enfrentar as consequências da pandemia e os problemas emocionais, como depressão e ansiedade, e diminuir o nível de estresse. “A música traz sensibilidade e calmaria a quem puder tocar”, enfatiza.

Para a professora de música de uma escola de Vera Cruz, Fabiane Schmidt Torales, ser um instrumentista significa criar habilidades e sentir vibrações positivas à escuta e ao coração. Fabiane reafirma o aumento do interesse pelos ensinamentos musicais nesta época, principalmente por iniciantes. “Fazer música é extremamente benéfico, é inexplicável”, declara. Segundo a musicista, as notas musicais são uma companhia, através de uma canção ou dos instrumentos.

Em meio ao autodesenvolvimento do aluno, é fundamental a participação e o apoio familiar. Ismael conta que por sempre se interessar por música, sua mãe o matriculou em uma escola e o incentivou a estrear no meio. “Minha mãe me apoia e me estimula a continuar evoluindo cada vez mais”, ressalta.

Durante a quarentena, as escolas têm procurado formas criativas para motivar e chamar a atenção dos alunos. Seja para fugir da solidão ou para seguir carreira, a música pode ser uma aliada poderosa para qualquer pessoa. E é esta condição que tem favorecido a demanda. ”Sou muito feliz estudando música e quero continuar pela vida inteira”, salienta o jovem.


Foto: Jornal Arauto/Caroline Moreira
Ismael retomou aulas de música presenciais praticando individualmente
Ismael retomou aulas de música presenciais praticando individualmente

Foto: Jornal Arauto/Caroline Moreira
Tocar violão é um dos hobbies preferidos do jovem
Tocar violão é um dos hobbies preferidos do jovem