Aumento de atendimentos e falta de medicações preocupam profissionais da saúde em Venâncio Aires


Por: Portal Arauto
Publicado 29/07/2020 16:17
Atualizado 29/07/2020 16:46

COVID 19 Região   EM ALERTA

O aumento na procura por atendimento médico de pacientes sintomáticos respiratórios na UPA, Hospital São Sebastião e no Centro Respiratório, têm preocupado os profissionais da saúde e autoridades de Venâncio Aires. Além da lotação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e dos casos internados tanto nas enfermarias e no setor de Covid-19, o município está enfrentado problemas no fornecimento de medicações como bloqueadores neuromusculares e sedativos, considerados fundamentais para os pacientes que necessitam de um suporte maior.

A situação, considerada como uma das mais críticas durante a pandemia, foi abordada durante live na tarde desta quarta-feira (29). Conforme o a infectologista Dra. Sandra Knudsen, a preocupação não é apenas pelo aumento do número de casos, mas também pelo fato que o clima frio influencia na saúde dos pacientes com problemas crônicos e, consequentemente, exige uma demanda maior dos hospitais e também de medicamentos para as UTIs. “Sabíamos desde o início que teriam momentos de piora durante a pandemia e que agora, por ser inverno, teríamos mais internações por problemas gerais nos hospitais. Mas também nos preocupa a questão da falta de oferta no mercado, das medicações para os pacientes que precisam de um suporte maior. Então por isso o apelo, não basta ter um serviço de saúde bem organizado, assistências, testes e exames para controlar, se cada Venâncio-airense não fizer o seu dever, a sua parte”, salientou.

Ainda, de acordo com ela, o fator mais importante no combate a pandemia e que vêm sendo esquecido pelas pessoas, é o distanciamento social. “Temos três regras extremamente importantes a serem seguidas, que é o uso obrigatório de máscara em público, a higienização e o terceiro, que é onde estamos falhando e esquecendo dos outros dois e é onde estão acontecendo as principais contamiações, que é o distanciamento. Se cada um ter a sua conduta e se cuidar 24hrs por dia, vamos conseguir atender em todos os nossos serviços de saúde", analisou.

Para o secretário da Saúde, Ramom Schwemgber, o momento exige cada vez mais a empatia das pessoas. “Chegamos no momento de renovar a empatia. Sabemos que no inverno é mais complicado e não queremos prejudicar comércio e indústria, mas precisamos que todos se cuidem e o Poder Público está fazendo a sua parte. Vamos nos colocar uns no lugar dos outros. Evitem aglomerações nesse momento. Não é hora de baixar a guarda”, afirmou.

O prefeito Giovane Wickert salientou que o município têm percebido um relaxamento nas medidas por parte da população. Ele ainda reforçou o apelo dos profissionais da saúde para que as pessoas respeitassem as regras. “Não é a indústria e o comércio que são o problema, porque lá os protocolos estão sendo seguidos. O problema é aos finais de semana e durante a noite, quando ocorrem os encontros e os momentos de vida social. E é nisso que perdemos o controle da situação, por isso, pedimos mais uma vez que todos façam a sua parte. A nossa rede de saúde pode dar conta se vocês ajudarem”, considerou.


Foto: Reprodução/Facebook