Processo para vacina da Covid-19 pode cair de dois anos para seis meses, avalia OMS


Por: Portal Arauto
Fonte: Gaúcha ZH e Estadão
Publicado 24/07/2020 15:00
Atualizado 24/07/2020 15:05

COVID 19   CORONAVÍRUS

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, explicou nesta sexta-feira (24) que a observação de resultados no desenvolvimento de uma vacina — que normalmente leva anos — pode demorar apenas seis meses em meio à pandemia do coronavírus. 

Para as candidatas a vacinas que já estão na fase 3, em testagem com pessoas no mundo real, o próximo passo é analisar a segurança e eficácia da proteção com base nos voluntários que receberam o imunizante. "Ainda vai haver o acompanhamento daqueles que receberam o teste por um período, normalmente dois anos ou até mais. Mas, com seis meses, é possível olhar os resultados e se perguntar se são suficientes", disse a cientista-chefe durante transmissão online para responder dúvidas do público.

É papel dos reguladores checar se os dados atestam eficiência para que, em caso positivo, a vacina seja produzida em escala. A OMS afirma estar trabalhando junto a eles para acelerar o processo de obtenção de licenças e também junto às empresas, para agilizar a produção em massa. Mesmo com prazo mais curtos, Soumya disse que a segurança é primordial. "Não será o caso da primeira vacina ser rapidamente injetada em milhões de pessoas sem ter estabelecido, de fato, se ela está realmente oferecendo proteção e se é segura", disse.

Segundo a cientista-chefe, hoje são mais de cem candidatas a vacina contra a covid-19 em desenvolvimento, sendo 24 já em fase de testes em humanos e "três ou quatro", na fase 3. Entre essas últimas, estão os produtos desenvolvidos pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford e pelo laboratório chinês Sinovac, todas em teste no Brasil. Soumya acrescentou que aquelas que estão nas fases 1 ou 2 de testes devem entrar na 3 nos próximos dois ou três meses. 

Em acordo com as declarações da cientista-chefe, o diretor do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, afirmou nesta semana que é preciso se manter realista quanto aos prazos referentes às vacinas.

Segundo Ryan, as pessoas não receberão a imunização até o início de 2021. "A ideia de que teremos uma vacina em dois ou três meses e, de repente, esse vírus terá passado... Adoraria dizer isso a vocês, mas não é realista", finalizou.


Foto: Divulgação/Agência Brasil