Sinduscon Vale do Rio Pardo pede revisão dos indicadores base para decisão das bandeiras de distanciamento controlado


Por: Portal Arauto
Publicado 20/07/2020 13:27
Atualizado 20/07/2020 13:58

COVID 19 Geral   CORONAVÍRUS

O escritório de Santa Cruz do Sul do Sindicato das Indústrias da Construção do Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS) divulgou nesta segunda-feira (20) uma nota quanto ao enquadramento da cidade em bandeira vermelha. De acordo com o órgão, que destaca respeitar o trabalho realizado no enfrentamento à pandemia, os cálculos dos índices a serem utilizados como indicadores das bandeiras necessitam urgente de uma reanálise para o seu enquadramento. Na sexta-feira, a região foi considerada bandeira vermelha, entrou com recurso e a resposta irá sair ainda hoje.

Em nota, o vice-presidente do sindicato em Santa Cruz do Sul, Astor José Grüner, destacou que os números da região mostram ocupação abaixo da média para leitos, UTIs e utilização de respiradores. "As informações oficiais que constam no site demonstram claramente que estamos em situação que merece cuidados, mas não exageros. O Sinduscon-RS compactua com as demais entidades empresariais de nossa cidade no sentido de se manifestar contrariamente às medidas impostas de forma muito intensa em suas restrições no funcionamento das atividades produtivas. Muitos empregos já foram perdidos, talvez definitivamente, com este enfrentamento ao vírus que pouco conhecemos. Empregos que geram renda para as famílias e são necessários para a sua sobrevivência", ressaltou. 

Segundo ele, a imposição ao fechamento de atividades irá impactar de forma colossal principalmente nas micro e pequenas empresas e este reflexo será de difícil recuperação. "O momento é de cautela e reflexão no sentido de que o remédio que está sendo aplicado não tenha efeitos colaterais que não poderão ser superados, pelo menos a curto e médio prazo. Solicitamos ao município e à entidade regional para que envide todos os esforços com a finalidade de evitar bandeira vermelha em nossa cidade e região", disse. Além disso, além da revisão dos indicadores, o sindicato pede a regionalização no distanciamento controlado, com redução das áreas de abrangência no momento de definição das bandeiras.


Foto: Arquivo/Jornal Arauto