Municípios do Vale do Rio Pardo aprovam novo recurso contra bandeira vermelha


Por: Portal Arauto
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicado 18/07/2020 11:48
Atualizado 18/07/2020 12:31

COVID 19 Região   DISTANCIAMENTO CONTROLADO

Após nova classificação como bandeira vermelha no mapa preliminar do Estado, a região do Vale do Rio Pardo (R28) adotará a mesma estratégia utilizada na semana passada e irá entrar com recurso conjunto, por meio da Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp), para retornar à bandeira laranja.

Em reunião na manhã deste sábado (18), os prefeitos e secretários municipais de Saúde analisaram os indicadores juntamente com a 13ª Coordenadoria Regional de Saúde e a equipe técnica do Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale), composta pela enfermeira e diretora executiva Lea Vargas, o médico infectologista Marcelo Carneiro e a assessora jurídica Pamela Lima. 

Dentre os indicadores, um apresentou piora, passando da classificação amarela para a preta em função dos quatro óbitos registrados na semana, enquanto outros três tiveram melhora. A explicação do Gabinete de Crise do governo do Estado para a bandeira vermelha recai principalmente na situação da macrorregião dos Vales – que engloba ainda Lajeado e Cachoeira do Sul.

A revisão dos números da macrorregião será o principal foco neste sábado."Faremos um movimento e articulação com as regiões de Lajeado e Cachoeira do Sul para um alinhamento no discurso e na produção do recurso. Uma bandeira vermelha complicaria ainda mais a já difícil situação econômica das comunidades", afirma o prefeito de Candelária e presidente da Amvarp, Paulo Butzge. Uma videoconferência reunindo gestores e técnicos da macrorregião deve ocorrer na tarde deste sábado. 

Preocupação com surtos em clínicas geriátricas

Durante a videoconferência desta manhã, o médico infectologista Marcelo Carneiro fez uma alerta para os casos de Covid-19 em instituições de Longa Permanência para Idosos (LPI). Segundo ele, a região pode permanecer com bandeira vermelha por um longo período se os surtos e óbitos relacionados às casas geriátricas não diminuírem. "É urgente que estas unidades reforcem as suas medidas de prevenção, caso contrário poderemos ter de fechar o comércio até o fim da pandemia. O número de óbitos é um indicador que não tem justificativa para recurso. É importante que os municípios fiscalizem de forma mais agressiva estes locais", destaca o médico.

Mesmo os municípios da Região 28 dentro da chamada regra 0-0, que não registraram internações ou óbitos nas últimas duas semanas (Gramado Xavier, Herveiras, Mato Leitão, Passo do Sobrado, Sinimbu, Vale do Sol, Vale Verde e Vera Cruz), e que poderão adotar protocolos previstos na bandeira laranja, confirmaram a participação na elaboração do recurso regional, enviando as ações que vem sendo feitas por eles junto à cada população. A Região 28 conta ainda em sua área de abrangência com Santa Cruz do Sul, Venâncio Aires, Rio Pardo, Candelária e Pantano Grande.

De acordo com o prefeito de Pantano Grande e presidente do Cisvale, Cassio Nunes Soares, o último recurso elaborado teve um reconhecimento grande por parte do Estado e de outras prefeituras. "Tudo isso pelo trabalho competente da nossa equipe técnica. A região está preparada e tem enfrentado a pandemia com união e conhecimento técnico, o que nos leva a ter otimismo pela reversão da bandeira vermelha", afirmou.

Por determinação do prefeito Telmo Kirst, Santa Cruz do Sul também irá entrar com recurso municipal, além de apoiar o documento regional.


Foto: Divulgação/AMVARP