JTI anuncia 20 semanas de licença paga a novos pais


Por: Portal Arauto
Publicado 10/07/2020 16:17
Atualizado 10/07/2020 16:19

Geral   BENEFÍCIO

A Japan Tobacco International (JTI) lançou uma nova política global de licença-maternidade e paternidade para os seus 44 mil colaboradores: 20 semanas de licença remunerada, independentemente de gênero, orientação sexual ou forma como os colaboradores se tornaram pais (gravidez, adoção ou barriga solidária). O plano, que será implementado em fases a partir de 1º de janeiro de 2021, vai colocar a organização entre o 1% de empresas brasileiras que oferecem mais de dois meses de licença-paternidade segundo pesquisa do grupo Talenses.

Ao todo, são 140 dias de licença. O tempo vai muito além do exigido pela legislação brasileira, cinco dias, e que é seguido por 71% das empresas  ouvidas no estudo do Talenses. A nova política da JTI também se destaca no cenário global tendo um tempo maior de licença do que 80% dos 81 países em que a empresa atua.

Com a mudança, a organização espera reforçar que se tornar pai ou mãe não representa um obstáculo para a carreira e que ambos têm responsabilidades nos cuidados com os filhos. “Essa nova política de licença-familiar é um grande marco na nossa jornada em busca da diversidade e da igualdade de gênero. Estamos orgulhosos de apresentar esse novo benefício sem distinção de gênero, que apoia todas as famílias e dá a todos os pais oportunidades iguais de passar um tempo de qualidade com seus filhos, sem se preocupar com o impacto que isso poderia ter em suas finanças ou carreiras ”, diz Eddy Pirard, presidente e CEO global da JTI. "Com essa nova estratégia, a JTI busca apoiar o bem-estar de seus colaboradores, ajudando-os nos estágios iniciais de criação de uma família enquanto continuam a prosperar no trabalho", afirma Paulo Saath, Líder das Operações de Tabaco no Brasil.

Para garantir um processo de implementação tranquilo e a utilização adequada dos benefícios,  a nova política de licença-paternidade e maternidade será feita em fases nos diferentes países onde a JTI atua. No Brasil, em janeiro de 2021, será implementada a licença-paternidade de 4 semanas (28 dias) e a licença-maternidade de 20 semanas (140 dias). Nos casos de casais LGBTs, será definido o cuidador primário, que terá licença de 20 semanas, e o cuidador secundário, que terá, inicialmente, a licença de 4 semanas. A efetivação total da nova política no país se dará em janeiro de 2023, quando a licença de 140 dias passa a valer para todos.

Licenças maternidade e paternidade em números no Brasil

  • 71% das empresas dão apenas cinco dias de licença-paternidade para seus colaboradores, o mínimo exigido pela lei brasileira.
  • Entre as entrevistadas, 13% cedem 20 dias aos pais e apenas 1% garantem mais de dois meses de benefício.
  • 3 em cada 10 empresas oferecem licença-maternidade estendida no Brasil. Este número cai para 2% no caso da licença-paternidade.
  • 63% das empresas entrevistadas garantem o tempo mínimo de licença-maternidade, de quatro meses. Já 29% cedem seis meses.
  • 55% das empresas não oferecem qualquer tipo de programa ou ação voltada para a jornada da maternidade. Este número sobe para 68,3% no caso de ações voltadas para os pais.

Os dados são do estudo “Os Efeitos da Licença-Maternidade e Paternidade no Mercado de Trabalho” do Talenses Group em parceria com a Filhos no Currículo. A pesquisa foi realizada com os profissionais responsáveis pelas licenças paternidade e maternidade de 721 organizações em dezembro de 2019.

(Foto: Divulgação)