Pichações diminuem, mas não acabam em Santa Cruz e Vera Cruz


Por: Portal Arauto
Fonte: Jornal Arauto
Publicado 14/07/2020 14:00

Geral   ASPECTO FEIO

“M & D”, “Viva la vida loca”, “I miss you” e tantas outras inscrições que nada de arte têm. Pelo contrário, deixam os prédios com aspecto visual pouco atrativo e dão prejuízo aos proprietários - se de imóveis privados - ou ao erário - se em local público. As pichações não contribuem para a cultura. São, na verdade, crime, inclusive podendo gerar multa.

Em Vera Cruz, mesmo que em menor quantidade do visualizado há anos - a exemplo de agosto de 2015, quando o Jornal Arauto publicou reportagem a respeito do assunto -, os desenhos, muitas vezes que mostram a revolta de quem faz, são notáveis no Centro. Ao lado da Capela Mortuária, dois prédios estão pichados. Também no antigo prédio da fumageira, onde ficavam as caldeiras, os traços são evidentes e até de mais de uma cor. É ali que concentra o maior número deles. O espaço, abandonado deste a saída da empresa de tabaco e a localização não próxima de residências, acaba sendo um facilitador aos pichadores. Notável também vandalismo no antigo prédio da Crysalis, no bairro Araçá, e em tantas paradas de ônibus espalhadas pelo município. 

NOS ESPAÇOS PÚBLICOS
A Praça José Bonifácio, no coração da Capital das Gincanas, sempre é um ponto com pichações. Mas, segundo o secretário de Obras de Vera Cruz, Maiquel Aretz, nesse período que está à frente da pasta - cerca de um mês - nenhum registro chegou, assim como de outros locais do município. Em Santa Cruz do Sul, a identificação dos pontos pichados é feita pela Guarda Municipal. Segundo o coordenador, Estor Iochims, tem diminuído a incidência. “Hoje, me recordo de dois pontos apenas, em se tratando de espaço público: a Praça da Bandeira e a Central de Serviços”, diz. Para Iochims, a diminuição está atrelada, principalmente, a dois fatores. O primeiro é conscientização e o segundo é a constante fiscalização.


Foto Lucas Batista/Jornal Arauto


Foto Lucas Batista/Jornal Arauto


Foto Lucas Batista/Jornal Arauto


Foto Lucas Batista/Jornal Arauto