Panetone recheado de afeto e generosidade


Publicado 25/12/2019 18:30
Variedades   ESPECIAL DE NATAL Fonte: Jornal Arauto

Há quem vivencie o Natal pela decoração do pinheirinho, pelas canções do sapatinho na janela ou Noite Feliz, pela cartinha que o filho escreve ao Papai Noel, pelos rituais todos, pelo comércio, pelos aromas e pelos sabores. Os 13 colaboradores da padaria da Copame, a Associação Comunitária Pró-Amparo do Menor, de Santa Cruz, começam a entrar no clima natalino em novembro, quando a receita do panetone sai do papel e vai para o forno. Ainda que nem todos coloquem a mão, literalmente, na massa do panetone, os funcionários vivem a atmosfera que cerca esta produção, que leva mais do que os ingredientes básicos. Na bela caixinha do Copametone – nome dado como marca ao produto – constam farinha de trigo, pré-mistura de panetone, água, gema de ovo, fermento, frutas cristalizadas e uva passa, no caso do sabor tradicional, ou gotas de chocolate.

Mas quando seu Nilton Luis de Lima Marques, o padeiro que responde pela produção desta receita tradicional há 12 anos na padaria da Copame, coloca sua mão na receita, o recheio é repleto de afeto. Quando é questionado sobre o que vai, além dos ingredientes físicos, na tradicional receita dos Copametones, seu Nilton responde, sem hesitação: “dedicação, amor e inspiração devido à época natalina”, ressalta ele, que tem sua jornada de trabalho às noites. Nilton, assim como todos os demais que trabalham na padaria, não possuem qualquer contato com as crianças e os jovens que estão na Copame, mas sabem que um dos ingredientes da receita é a solidariedade.

“É com prazer que a gente faz, é para as crianças. Ninguém trabalha aqui de cara amarrada e isso contagia a todos. O Natal toca a gente, toca as crianças, e a equipe de trabalho faz com todo amor porque sabe que é para eles”, frisa a supervisora da padaria da Copame, Aline Machado. Para ela, que trabalha no setor administrativo, no dia a dia  todo mundo se empenha para colocar o sentimento de que as crianças e os jovens que estão acolhidos na instituição são amados, ainda que ninguém que atue na padaria tenha contato com eles, no trabalho desenvolvido, “mas todos nós nos importamos”, salienta.

A comunidade também se importa, porque é solidária. Sabe que ao comprar os Copametones de 100 ou 500 gramas, que são produzidos sempre durante as noites e madrugadas pela equipe do seu Nilton, vai estar ajudando as crianças que estão acolhidas na instituição. Não é à toa que milhares de panetones são feitos a cada Natal - cerca de 6,6 mil em 2017 e 5 mil em 2018 - entregues para muitas empresas, entidades e pessoas físicas, que enxergam na receita típica de Natal uma forma de presentear colegas, colaboradores, amigo-secreto ou simplesmente degustar a iguaria doce do fim de ano. Com sabor de afeto, de carinho, de solidariedade.

Nilton responde pela produção da receita há 12 anos na padaria da Copame
Nilton responde pela produção da receita há 12 anos na padaria da Copame (Foto: Carolina Almeida / Jornal Arauto)







Corona - Aqui não passa!