Nunca é tarde para um doce recomeço


Por: Portal Arauto
Publicado 23/04/2019 06:24
Atualizado 23/04/2019 06:25

Geral   REENCONTRO

“É tua mãe, então ainda dá tempo”. Foi essa frase do filho mais velho que motivou Ângela Helena Frighetto a acreditar na possibilidade de recomeço, após ter enviado uma mensagem para a Arauto FM. Quando ela encaminhou a história de sua vida para o whatsapp da 95,7, sequer sonhava que seria selecionada. Mas ela foi, entre mais de 400 participações.

Ao acordar neste sábado (20), a moradora do Bairro Esmeralda em Santa Cruz planejava diversas tarefas, mas nem passava pela sua cabeça que subiria a serra, com a equipe da Arauto, para abraçar a mãe depois de sete anos sem fazer isso. Ela e Claudina da Silva se desentenderam quando as duas moravam em Santa Cruz. Intrigas familiares que separaram mãe e filha por quase uma década.

A dor do afastamento fez Claudina ir embora e encontrar na Serra Gaúcha - onde moram os outros filhos - um local para se refugiar das lembranças ruins. De lá pra cá, a idosa de 64 anos - que enfrenta diversas doenças - tentou uma aproximação, ignorada pela filha de 46 anos. A mágoa da safrista, que trabalha com controle de qualidade em uma fumageira de Santa Cruz, era maior do que a vontade de fazer as pazes.

Mas, o tempo foi passando e a cada aniversário da mãe ou data festiva, o coração de Ângela apertava, doía, a fazia pensar. Antes mesmo de contar sua história em frente às câmeras no sábado, apenas a palavra mãe a fazia encher os olhos de lágrimas. Não era necessário ser ou conhecer Ângela o bastante, para também sentir a ansiedade por uma reconciliação. A frase do filho Daniel ecoava em sua mente e a fazia lembrar: sempre há tempo.

De mala feita para a Serra Gaúcha

Foi a organização de viagem mais rápida na vida de Ângela. Em poucos minutos, estava pronta para ir ao encontro da mãe, arrependida pelo passado e esperançosa pelo futuro. Deu um beijo no filho do meio – o Eduardo (deixou outro para os filhos Leonardo e Daniel), nas noras, na neta Raíssa e nas cachorrinhas Sofhya e Milly. Fechou as malas e o portão de casa, sabendo que quando voltasse, traria na bagagem uma resposta e um abraço.

No caminho, por vezes sobressaia o sentimento de ansiedade, emoção e também incredulidade. São poucas horas até Guaporé, mas para ela parecia a eternidade. Quando o carro passou pelo pórtico do município, um, dois, três suspiros... Era hora de recomeçar.

Porém, Claudina não estava em Guaporé. Ela foi passear em Bento Gonçalves, cidade natal de toda a família, e acabou parando na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Os problemas respiratórios são alguns dos obstáculos enfrentados pela idosa. A notícia foi obtida com o irmão de Ângela, com quem ela não falava há anos também. Ainda na cidade das jóias, perdoou Cleudomar e a cunhada Cristiana, abraçou novamente  a afilhada Ana Luiza que não via desde bebê, e seguiu para uma viagem até a capital do vinho. Seria na terra da pipa e da Maria Fumaça, que o reencontro tão esperado aconteceria.

E aconteceu, ao pôr-do-sol, na Praça das Rosas, em frente a Igreja Matriz Cristo Rei. Aconteceu depois de muita espera, ansiedade e emoção. Após sete longos anos. Claudina, desconfiada com a produção, trocou o olhar criterioso por um emocionado, assim que o comunicador Augusto Barros leu a carta da filha. “Doeu”, ela disse, sem imaginar que segundos depois estaria envolvida no abraço da primogênita.

O toque de mãe e filha aconteceu após passos lentos de Ângela, em sua direção. Com a voz trêmula e muita emoção, chamou pela mãe que virou para o reencontro. A cena emocionou, não só a família que estava próxima, mas também a produção da Arauto e os que frequentavam a Praça das Rosas naquele sábado. Foram aplausos espontâneos de conhecidos e desconhecidos que, no fim de semana de páscoa, presenciaram uma cena que resume o objetivo da data. Após o abraço, não existia mais intrigas, mágoas ou lembranças ruins. Eram apenas mãe e filha, felizes pelo doce recomeço.

Relembre esse encontro em vídeo: Moradora de Santa Cruz viaja para Serra Gaúcha e se reconcilia com a mãe após sete anos afastadas


Foto: Luiza Adorna/Portal Arauto
Reencontro ocorreu no sábado, em Bento Gonçalves
Reencontro ocorreu no sábado, em Bento Gonçalves