2020 chegou e a gente continua morrendo


Publicado 07/01/2020 13:48
Atualizado 07/01/2020 14:11

No início dos anos 2000, quando muitos acreditavam que o mundo acabaria, tantos outros previam como seriam as coisas após 10 anos. Uma década. Parecia tanto e tantas eram as evoluções que eu, na época, imaginava com minha mente infantil. E, então, 20 anos se passaram e, sim, muita coisa mudou. Temos tecnologias, novos medicamentos, eletrônicos que se atualizam a cada dia. Mas, em nossa essência humana, pouca coisa está diferente. 

Hoje, quando a região chora a morte de mais uma mulher, lembro do quanto esse problema parece não ter fim. Não importa quanto tempo passe. Os anos voam, as coisas mudam e a gente continua morrendo. Morrendo porque querem que a gente morra. Morrendo sem opção, sem tratamento, sem cura. Morrendo porque um homem decidiu que seria assim. 

Juliani não teve escolhas nesta manhã, assim como muitas que já nos deixaram. Não conhecíamos Juliani, nem todas as outras que morreram por serem mulheres. Mas nem é preciso conhecer, para sentir. Sofremos e muito porque, assim como elas, sabemos a fragilidade diária que sentimos pelo simples fato de ser mulher.

O assassino de hoje, encontrado morto, não receberá a justiça dos homens. Outros estão vivos, mas soltos por aí. Outros estão presos, mas as vítimas continuam mortas, sem poder tocar nos pais ou nos filhos que deixaram. E então continuamos. Tristes e frágeis, mas certas de que temos umas às outras. 

De mãos dadas, vamos continuar observando o mundo evoluir, esperançosas de que a raça humana também consiga ficar melhor. Afinal, estamos cansadas de morrer um pouco a cada dia.

PortalArauto
(Foto: Depositphotos )





Luiza Adorna Jornalista, sonhadora e escritora. Apaixonada pelas letras e pelo jornalismo desde criança. Gosta de observar a vida e registrar o que enxerga pelas ruas. Gosta de contar a história das pessoas. Gosta de narrar a existência humana. Notas de Rua é um blog sobre a vida, sobre o cotidiano e sobre aquilo que não deve passar despercebido.
Corona - Aqui não passa!